Quando pedir um empréstimo pessoal e no que você precisa se atentar
Financeiro
Quando pedir um empréstimo pessoal e no que você precisa se atentar

Quando pedir um empréstimo pessoal e no que você precisa se atentar

A solicitação do empréstimo pessoal foi desburocratizada com a digitalização de processos bancários, a disponibilidade de dados dos usuários para avaliação de viabilidade da concessão e a automatização da análise de crédito.

Atualmente, é fácil fazer a contratação de um empréstimo pessoal: basta acessar o app da instituição bancária onde você tem um relacionamento mais amistoso, buscar a opção e efetivá-la.

Entretanto, quando as finanças pessoais não estão organizadas ou não há um planejamento prévio para que o dinheiro seja usado com inteligência, contratar um empréstimo pessoal pode ser o início de um problema financeiro.

Para descobrir se o empréstimo pessoal realmente vale a pena, é preciso considerar fatores como urgência, capacidade de pagamento e opções menos onerosas, que cumpram com o propósito inicial da contratação mas, principalmente, tenham juros mais baixos sobre o montante contratado.

Por isso, neste artigo, listamos em quais situações um empréstimo pessoal é indicado e quando não contratá-lo. 

Qual a importância do planejamento financeiro?

O planejamento financeiro é importante em qualquer situação. Está relacionado à determinação de metas e objetivos, adoção de melhores hábitos de consumo e o controle de gastos pessoais. 

Quando você tem um planejamento, consegue entender qual produto ou serviço financeiro tem mais fit com o seu perfil. Além disso, com uma análise mais criteriosa é possível descobrir se realmente um empréstimo pode atender às suas necessidades e expectativas.

Logo, o planejamento financeiro é decisivo ao contratar um empréstimo pessoal: ele permite apurar informações estratégicas, como o montante necessário para atender a demanda, o orçamento disponível versus a capacidade de pagamento das parcelas, prazos para quitação e alternativas que mitigam possíveis problemas.

Avaliar todas essas informações antes de contratar um empréstimo pessoal é a melhor forma de cumprir com o seu objetivo honrando a dívida.

Em quais situações um empréstimo pessoal é indicado?

Existem duas circunstâncias básicas em que o empréstimo pessoal é indicado: para reduzir o custo de uma dívida ou gerar renda. A última condição abrange abertura e crescimento de um negócio e financiamento de estudos, por exemplo.

Situações emergenciais devem ser consideradas com critério, mas também viabilizam uma concessão de crédito possível e positiva para o adquirente. Veja a explicação dessas situações a seguir. 

Integrar dívidas em uma única parcela

Não é fácil ter dívidas com credores diferentes, montantes e parcelas que vencem em datas distintas, que atrapalham o seu planejamento financeiro e oneram a sua conta bancária. 

Se você tem mais de um empréstimo com juros e taxas diferentes aplicadas, ou com valor acima da sua capacidade de pagamento, vale a pena pedir um novo empréstimo para integrar essas dívidas em uma só. Assim, você pode quitar todas as demais e pagar uma única parcela mensalmente. 

Reduzir os juros de dívidas já contratadas

O grande problema dessa opção é a viabilidade em relação à troca de valores. Para que ela seja realmente vantajosa, é preciso que as taxas e os juros aplicados no montante sejam menores do que os praticados nos empréstimos originais.

Além disso, o valor da parcela deve ser condizente com a sua renda, ou seja, não pode comprometer 30% do seu salário.

Pagar o cheque especial e as faturas de cartão de crédito atrasadas

Quando você está comprometido com o pagamento de faturas atrasadas de cartão de crédito e cheque especial também deve considerar a contratação de um empréstimo pessoal. O importante é gastar menos com os juros.

Quitar parcelas com desconto

Existem muitos financiamentos em que o pagamento antecipado pode gerar descontos. Nessas situações, se o desconto obtido for maior que os juros do empréstimo, é vantajoso contratar um empréstimo pessoal.

Fazer reformas

Solicitar empréstimos pessoais para pagar uma reforma é interessante se você conseguir um bom desconto com os prestadores de serviço ou na compra de material e desde que esse valor seja mais vantajoso do que os juros do empréstimo. 

Também é interessante concentrar a dívida da reforma numa única parcela em vez de ter de pagar diferentes parcelas para fornecedores diferentes e prazos variados.

Manter o cadastro positivo

Não ter crédito é um empecilho para as conquistas pessoais, como comprar uma casa financiada, abrir um negócio ou fazer um investimento. Pedir um empréstimo pessoal também pode ser interessante para conseguir mais crédito financeiro, desde que você tenha um objetivo com isso e o valor requerido seja para a multiplicação da renda, como investir em um negócio.

Investir no negócio

O Empréstimo pessoal atende a demanda de geração de renda desde que não haja opções mais vantajosas, como o microcrédito para MEI, com taxas de juros mais competitivas e condições especiais de pagamento (carência, por exemplo).

Além disso, qualquer transação financeira relacionada ao estabelecimento ou crescimento de um negócio deve ser amparada por um plano de negócios, principalmente para saber se as parcelas condizem com a perspectiva de venda

Financiar os estudos

Outro motivo viável para a solicitação de um empréstimo pessoal é o financiamento dos estudos. Isso porque o contratante está investindo em longo prazo, mas com resultados benéficos para a carreira e a capacidade de geração de renda no futuro. 

Programar uma viagem

Uma viagem sempre exige planejamento e organização financeira. Quando você faz um empréstimo pessoal e incorpora as parcelas no seu orçamento, pode pesquisar preços melhores e fazer reservas antecipadas cujo desconto compensa o valor que será pago em juros.

Arcar com custos emergenciais

Há situações em que realmente não dá pra evitar a contratação de um empréstimo pessoal: imprevistos acontecem na vida de qualquer um, mas é preciso ter discernimento e não deixar que a urgência interfira na capacidade de cálculo da viabilidade dessa contratação.

O desespero nunca é bom conselheiro, principalmente na hora de contratar um empréstimo pessoal. Primeiro, é preciso avaliar quão emergencial é a situação e se não existem alternativas menos onerosas, como pedir ajuda a um familiar mais próximo.

Você também pode considerar a venda de objetos pessoais ou o resgate do FGTS. Caso nenhuma dessas alternativas estejam disponíveis, avalie as ofertas e pesquise as taxas, pois geralmente instituições bancárias e de crédito trabalham com percentuais bem diferentes. 

Quando não solicitar um empréstimo pessoal?

O empréstimo pessoal não é indicado em todas as situações em que os juros são mais altos que os da dívida que será substituída, conforme já ressaltamos. 

Além disso, pense em outra alternativa quando as parcelas são altas e comprometem a sua capacidade de pagamento, pois os valores podem superar o que seria possível para que você tenha qualidade de vida, paz e tranquilidade financeira.  

Se o objetivo é adquirir bens de consumo não duráveis, como roupas e sapatos, opte por economizar até ter a chance de adquiri-los, assim você gasta como quiser depois que tiver dinheiro suficiente guardado. 

Ao pedir um empréstimo pessoal, o importante é avaliar todas as opções disponíveis e fazer cálculos sobre quais valem realmente a pena. Inclua na conta os juros e outras taxas e tarifas operacionais, que compõem o Custo Efetivo Total (CET), que abrange os juros, o seguro do empréstimo, IOF, tributos, registros e outras despesas de comum acordo no contrato. 

A Koin tem opções de empréstimos pessoais adequados para o perfil e orçamento dos clientes. Com uma taxa justa, condições de pagamento facilitadas e dinheiro em mãos, você conquista os seus sonhos sem onerar as suas finanças pessoais! Acesse o nosso site e confira!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

logo

A KOIN é uma instituição de pagamento, obedece às premissas da Lei nº 12.865, de 9 de outubro de 2013, e aos regulamentos e circulares do Banco Central do Brasil. A KOIN não é uma instituição financeira mas atua como correspondente bancária da BMP Money Plus Sociedade de Crédito Direto S.A., CNPJ n.º 34.337.707/0001-00, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011, do Banco Central do Brasil.