Confira os dados do e-commerce em 2020 e as perspectivas para 2021
Ecommerce
Confira os dados do e-commerce em 2020 e as perspectivas para 2021

Confira os dados do e-commerce em 2020 e as perspectivas para 2021

Há algum tempo, as compras virtuais já eram realizadas com bastante dinamismo por pessoas que têm uma vida muito corrida ou que gostam mesmo de praticidade. No entanto, o grande aumento das compras virtuais se deu mesmo devido ao momento de pandemia. O comércio eletrônico, conhecido como e-commerce, tomou uma dimensão surpreendente para muitos empreendedores. Neste artigo, iremos apresentar a você os dados do e-commerce e suas perspectivas para 2021!

Os consumidores constataram uma experiência positiva por meio das compras online. Em vista disso, tornou-se um hábito quase impossível de ser revertido. Por esse motivo, os dados do e-commerce e as futuras projeções são bem animadoras para o ano de 2021. 

Confira dados do e-commerce!

Crescimento

Se tem uma coisa que o Coronavírus não fez parar em 2020 foi o e-commerce. Muito pelo contrário, as compras virtuais alavancaram. Nesse ano, o índice chegou a mais de 300 milhões de pedidos realizados e faturados no Brasil. 

2020 foi o ano em que a pandemia mostrava o maior número de consequências provocadas pelo coronavírus. Por isso, as pessoas se ausentaram das lojas físicas e optaram pelas compras online, fato que levou à elevação do e-commerce.

Essa experiência “forçosa”, imposta pela pandemia, agora tende a ser um hábito de consumo pelos clientes que perceberam as diversas vantagens de investir nesse formato de compra. 

A previsão da Ebit/Nielsen para 2021 é que o crescimento do e-commerce no Brasil seja de 26% e alcance uma receita de, aproximadamente, R$110 bilhões. O levantamento aponta que é estimado um aumento de 16% no índice de pedidos de produtos e 9% no valor médio sobre as vendas. 

Essa expectativa é fundamentada devido a fatores reais, como a solidificação dos e-commerces das localidades, o fortalecimento do marketplace, a otimização das logísticas que tornam os processos céleres etc. A soma dessas ações coopera para a expansão das compras virtuais em 2021.

Faturamento

Quanto maior o número de vendas, maior o lucro, não é mesmo? É exatamente o que aconteceu com o e-commerce no Brasil. A Neotrust apresentou dados sobre os resultados das vendas virtuais que ocorreram nos três primeiros meses do ano de 2021 e que esse crescimento permanece.

Somente nesse período, os consumidores realizaram 78,5 milhões de compras via web. Foi um aumento de 57,4%, quando comparado ao primeiro trimestre de 2020. 

Esse alto índice de venda levou a um faturamento de R$35,2 bilhões para o e-commerce, de janeiro a março de 2021. Foi um aumento surpreendente de 72,2% em relação ao ano de 2020.

Com a redução do número de infecções pelo coronavírus no início de 2021, foi cogitado que o índice de vendas virtuais fossem reduzidas. Porém, não houve tempo de isso acontecer. 

Logo foi descoberta uma nova variante do coronavírus, levando a uma segunda onda de contaminação no país. O fato foi um grande motivo para que as vendas online crescessem ainda mais. Com esse retorno intenso das compras virtuais, há probabilidade de que o e-commerce se potencialize cada dia mais.

Outro motivo que projetou essa grande demanda de e-commerce, tem relação com as inúmeras promoções que aconteceram nos primeiros meses do ano, como as “queima de estoque”, por exemplo.

Categorias mais lucrativas

Por consequência do distanciamento social imposto pelos governantes, por meio de decretos, no ano de 2020 tiveram algumas categorias que mais foram solicitadas ao comprar online.

As campeãs em vendas foram os itens acessórios e moda, que alcançaram um índice de 19,9%. Já os tickets saúde, beleza e perfumaria chegaram a 14,4% e entretenimento 12,8%.

Ticket médio

Os produtos de ticket médio menor foram os mais requisitados por meio das compras online. No primeiro trimestre deste ano (2021), os consumidores realizaram um número bem significativo de compras virtuais.

O índice foi elevado a 9,4%, no que se refere a ticket médio, quando comparado ao primeiro trimestre de 2020. Nesse mesmo ano, no quarto trimestre, a compra do ticket médio foi de 2,9%.

Total de pedidos por região

Fazendo menção ao quarto trimestre do ano de 2020, a região sudeste foi a que se destacou nas vendas online. Ela alcançou uma média de 63% do total desse consumo. A região ainda continua em destaque, porém teve uma declinação de 3,9%, quando comparada ao trimestre anterior. 

O nordeste foi considerada a região que mais apontou crescimento em 2020 em fluxo de compras online. A boa notícia é que todas as regiões estão em processo de ascensão. Veja a porcentagem de compras virtuais por região:

  • norte 2,1%;
  • nordeste 14,6%;
  • centro-oeste 6,2%;
  • sudeste 63%;
  • sul 14,1%.

Dados sobre consumidores

Segundo pesquisa realizada pela Neotrust, as mulheres são as que mais investem em compras online. Porém, foi confirmado que os homens gastam valores maiores. A porcentagem de ticket médio das mulheres é uma média de 58,1%, mas os homens gastam, aproximadamente, R$538,20.

As pessoas que mais aquecem o mercado e-commerce têm em média 37 anos. Houve também um grande fluxo de venda na faixa etária entre 36 a 50 anos, que totalizou 33,9% de consumidores que têm a web como o método mais utilizado para concretizar as suas compras.

Vale destacar também que pessoas entre 26 e 35 anos, já compreenderam as facilidades que as compras online significam para a suas vidas. Por isso, essa faixa etária de consumidor alcançou uma porcentagem de 33,1%.

Algumas pessoas ainda são um tanto “tímidas” quando se trata de compras online, porém estão em desenvolvimento. A representação do público mais jovem, com até 25 anos, configura 19% das compras virtuais. A média é ainda menor quando se trata dos consumidores acima de 51 anos, eles são 14% dos que têm interesse por essa modalidade de compra.

Por perceber que os dados do e-commerce prometem alavancar em 2021 e nos próximos anos, o ideal é que você invista em plataformas que ofereçam uma boa experiência para os usuários. Existem no mercado formatos de pagamento inovadores, como a opção de pagar com Boleto Parcelado ou Pix. Esses são excelentes recursos para potencializar as suas vendas.

Gostou do conteúdo e de saber como o e-commerce é forte tendência para os anos seguintes? Acompanhe mais conteúdos como esse em nosso blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

logo

A KOIN é uma instituição de pagamento, obedece às premissas da Lei nº 12.865, de 9 de outubro de 2013, e aos regulamentos e circulares do Banco Central do Brasil. A KOIN não é uma instituição financeira mas atua como correspondente bancária da BMP Money Plus Sociedade de Crédito Direto S.A., CNPJ n.º 34.337.707/0001-00, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011, do Banco Central do Brasil.